' '

2 de jul de 2009

Todos os gibis da turma: pré-história

Na era pré-internet, pouca gente sabia que tinha havido um gibi de Mauricio antes de MÔNICA (lançada em mai/1970). 

Nem em edições comemorativas ou em seções de cartas dos gibis da Editora Abril havia qualquer menção a isso. 

Sempre era dito que MÔNICA tinha sido o primeiro gibi da turma e ponto. 

    

    

    

Porém, pouco depois de Mauricio estrear suas tiras na (hoje) Folha de S.Paulo, em 18/jul/1959, a editora Continental, de São Paulo, lançou o gibi ZAZ TRAZ

E lá estavam Bidu e Franjinha estampando a bela capa. A revista durou 7 edições. 

Também foi lançado ao menos um ALMANAQUE DE ZAZ TRAZ, possivelmente em 1960, com Cebolinha, Franjinha e Bidu na capa (desenhada por Igayara) — apesar de não constar que dessa edição haja qualquer história com personagens de Mauricio.


O cartunista entrara para a Continental pelas mãos de Jayme Cortez, um dos mandachuvas da editora (e uma das lendas dos quadrinhos brasileiros), e logo se tornaria seu amigo. 

Nos gibis da Abril, por sinal, Cortez era o único autorizado a desenhar as criações de Mauricio em estilo próprio. Algo como um Carl Barks das HQs Disney, guardadas as devidas proporções, era o único que sempre merecia citações e créditos. 

    

    

    

    

BIDU logo ganharia título próprio, durando 8 edições. A partir do número 5, no entanto, passou a trazer quadrinhos também de outros autores, já que Mauricio não conseguia tempo para produzir as tiras diárias e o material para a revista simultaneamente. 

As tiras eram publicadas na Folha (Bidu, Franjinha e Cebolinha) e no Diário da Noite (Astronauta, Piteco, Zé da Roça & Hiro).

LIVROS ILUSTRADOS DA FTD
Em 1966, a FTD lançou 3 livros ilustrados com personagens de Mauricio:



O Astronauta no Planeta dos Homens Sorvete + Zé da Roça ...E o Dragão que Não Existia


[Niquinho:] A Caixa da Bondade + Chico Bento


Piteco + Penadinho contra o Caçador de Cabeça


Mauricio já colaborava com o suplemento infantil Folhinha de S.Paulo desde sua criação, em 1963. A Folhinha não se parecia com nenhum dos suplementos similares que ainda hoje circulam com os jornais — mas todos, ainda assim, são nitidamente derivados dela.




Por ocasião da morte do dono da Folha de S.Paulo, em 2007, Mauricio fez uma revelação bombástica para os colecionadores de seus gibis. Na crônica em que prestou homenagem a Octavio Frias, afirmou que o jornal chegou a planejar o lançamento de revistas em quadrinhos com seus personagens, "que seriam rodadas na mesma impressora do jornal. Chegaram a imprimir alguns exemplares, inclusive. Mas essa experiência não foi adiante... na Folha". Alguém aí guardou algum?!


Por E. Rodrigues & Rivaldo Ribeiro

2 comentários:

André disse...

Bom, pelo menos o Bidu nº 1 vai ganhar uma republicação.

Daniel F. Silva disse...

Não seria má ideia a Panini e a MSP relançarem a revista do Bidu agora. História não iria faltar.